Ibi Terra Santa

MPF acaba com força-tarefa da Lava Jato no Paraná

 


A força-tarefa da Lava Jato no Paraná, principal braço da operação no país. Criado em 2014, coordenado por Deltan Dallagnol, foi dissolvido pelo Ministério Público Federal (MPF) nesta quarta-feira (3). A força-tarefa foi a mais importante da operação Lava Jato no país e a responsável pela prisão de nomes como o ex-presidente Lula, o ex-deputado cassado Eduardo Cunha e o empresário Marcelo Odebrecht.

O MPF informou que desde 1º de fevereiro, parte dos investigadores passaram a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Federal. Outros foram devolvidos às suas funções de origem e passam a colaborar com a operação de maneira pontual. 

Segundo o órgão federal, a força-tarefa esteve por trás de 79 fases da operação, 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de prisão temporária. 130 denúncias contra 533 acusados foram feitas com provas colhidas durante a operação, gerando 278 condenações de 174 pessoas, em um total de 2.611 anos de pena.

A equipe promoveu 735 pedidos de cooperação internacional, o que ajudou a aumentar o escopo da operação e permitir que outros países também promovessem investigações, como o caso do Peru.Os 209 acordos de cooperação resultaram, segundo o órgão, a devolver R$ 4,3 bilhões aos cofres públicos.

A Lava Jato, e seu braço paranaense, vinham em uma escala descendente desde 2019, com a revelação da chamada "Vaza Jato"pelo site The Intercept Brasil. O conteúdo das mensagens apresentadas pelo site, hoje confirmadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), apontam que os investigadores atuaram em conjunto com o então juiz federal Sergio Moro, e tinham objetivos políticos com a operação, inclusive o de retirar Lula das eleições de 2018.

A operação também é alvo de pressão da classe política contra seu funcionamento, pressão intensificada com o presidente Jair Bolsonaro e por seu procurador-geral da República, Augusto Aras. O MPF não se manifestou se outros braços estaduais da Lava Jato, como no Rio de Janeiro, devem ser mantidos.

Enviar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Fale Conosco

Ibi Terra Santa