Ibi Terra Santa

Aliados de Bolsonaro na Câmara, deputados baianos se dividem sobre caso Braga Netto

 


por Lula Bonfim

Aliados de Bolsonaro na Câmara, deputados baianos se dividem sobre caso Braga Netto
Foto: Divulgação / Câmara dos Deputados

Mesmo aliados de Bolsonaro na Câmara, parlamentares baianos se dividem sobre o episódio envolvendo o general Walter Braga Netto, ministro da Defesa, nesta quinta-feira (22) em Brasília (saiba mais aqui). A declaração mais dura foi do deputado Paulo Azi (DEM), que chamou de “inconsequente” a vinculação da realização das eleições em 2022 à aprovação do chamado “voto impresso”.

 

“Esse tipo de declaração do ministro da Defesa é completamente inconsequente. Não tem nenhuma base de sustentação para que se possa pensar em qualquer tipo de retrocesso no sistema democrático do Brasil. Isso é falta do que fazer e do que dizer, tentar vincular as eleições a essa questão do voto impresso, que é uma coisa muito menor”, declarou Azi, que já chegou a ser vice-líder do governo na Câmara.

 

O deputado federal Cacá Leão (PP), por outro lado, colocou panos quentes na polêmica. Apoiado na nota divulgada por Braga Netto (veja aqui), o parlamentar baiano afirmou que o ministro da Defesa desmentiu a ameaça.

 

Questionado sobre o texto assinado pelo ministro ainda pressionar pela aprovação do “voto impresso”, Cacá Leão voltou a minimizar. “Pressão faz parte”, disse o parlamentar, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

Tanto Paulo Azi quanto Cacá Leão preveem dificuldades para o governo federal aprovar a mudança para 2022. Segundo o deputado do DEM, a tentativa de vincular a realização das eleições do próximo ano à aprovação do “voto impresso” é um dos fatores que dificultam o debate do tema na casa legislativa.

 

“O voto impresso está sendo inviabilizado por esse tipo de postura. Vincular as eleições a essa questão do voto impresso é um absurdo e não encontra respaldo no Congresso. A grande maioria não admite esse tipo de vinculação. Acho até que há muitos parlamentares a favor de um maior tipo de auditagem das urnas, mas a maneira como isso tem sido usado, ameaçando a realização de eleições, prejudica as discussões”, comentou Azi.

 

Para Cacá, a politização do “voto impresso” alimentada por membros do governo federal acabou inviabilizando a aprovação da mudança. “Esse assunto acabou muito politizado. Eu não tenho nada contra [a aprovação do voto impresso]. Mas acho que vai ser derrotado na comissão”, concluiu o parlamentar.

Enviar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Fale Conosco

Ibi Terra Santa