STF forma maioria para obrigar União a fornecer UTIs Covid na Bahia e mais 4 estados

 

STF forma maioria para obrigar União a fornecer UTIs Covid na Bahia e mais 4 estados
Foto: Paula Fróes/GOVBA

Foi formada maioria no Supremo Tribunal Federal nesta terça (6), para validar liminar da ministra Rosa Weber que obriga a União a reestabelecer leitos de UTI para tratamento da Covid-19 na Bahia, Maranhão, São Paulo, Piauí e Rio Grande do Sul.

 

A previsão é de que o julgamento seja concluído nesta quarta-feira (7).

 

Os estados entraram com ações no STF alegando que o financiamento de leitos de UTI por parte do governo federal foi suspenso no final de 2020. Desde então a pandemia se agravou e os estados tiveram que abrir novos leitos para evitar o colapso do sistema de saúde. O parecer de Rosa Weber entende que a União deve fornecer os leitos aos governos estaduais.

 

São seis os ministros que até o momento acompanharam a relatora: Alexandre de Moraes, Marco Aurélio Mello, Carmen Lúcia, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Edson Fachin. As informações são do Estadão.

 

A Advocacia-Geral da União afirmou que os pagamentos dos leitos não foram interrompidos e argumentou  que os procedimentos de habilitação de leitos dependiam de solicitações feitas pelos governos estaduais e que eventuais desmobilizações ocorreram mediante ‘ausência de pedido de prorrogação de tais autorizações pelos gestores’.

 

“Acaso ultrapassado referido prazo, sem que o Estado ou município iniciasse o devido procedimento administrativo de prorrogação dos leitos, tinha-se, como consequência, a perda da vigência do financiamento federal de tais leitos de UTI”, justificou a União. Agora, a pasta diz que ‘reavaliou’ tal procedimento e que as autorizações para os leitos terão prazo indeterminado, enquanto durar o estado de emergência causado pela pandemia.

Share on Google Plus

About Visão de Águia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 Comments:

Enviar um comentário

Fale Conosco

Fale Conosco