Um beijo e uma taça: Diego Alves "se paga", ganha reverência de Ceni e assume protagonismo no Flamengo

 


Um beijo de carinho. Um beijo de agradecimento. Um beijo emblemático.


O gesto de Rogério Ceni com Diego Alves após o título da Supercopa do Brasil, domingo, contra o Palmeiras, ajuda a destrinchar o tamanho do feito do goleiro do Flamengo no Mané Garrincha. Ali, um treinador agradecia ao comandado pelo protagonismo na conquista de mais um título nacional. Mas é inevitável a reflexão de que um dos grandes da posição em todos os tempos chancelava o tamanho do camisa 1 neste elenco que entra no terceiro ano fazendo história.

Rogério é muito provavelmente o goleiro mais emblemático para a geração de Diego Alves. Os feitos com a camisa do São Paulo marcaram uma geração. E o ato de carinho misturado com gratidão e reverência dá o tom do peso do protagonismo do goleiro do Flamengo na final da Supercopa. Em um elenco em que exerce mais a função de líder do que de estrela, o 01, como é chamado nos bastidores, chamou para si os holofotes na decisão da Supercopa.

As três defesas de pênaltis que decidiram o título coroaram uma atuação de gala do goleiro também com a bola rolando. Ausente da reta final do Brasileirão por lesão, Diego Alves parecia querer reafirmar seu posto neste Flamengo que conquistou o oitavo título em três anos. E assim foi.

Share on Google Plus

About Visão de Águia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 Comments:

Enviar um comentário

Fale Conosco

Fale Conosco