Reforçar união de PT, PSD e PP em 2022 é estratégia para controlar ímpetos dissidentes

 


por Fernando Duarte

Reforçar união de PT, PSD e PP em 2022 é estratégia para controlar ímpetos dissidentes
Foto: Ag. Haack e Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

A reafirmação constante de que o tripé PT, PSD e PP estará unido em 2022 na Bahia é sinal de que há certo nível de fadiga na relação entre os três principais partidos que compõem a base aliada do governador Rui Costa. Não que algum deles esteja disposto a romper a relação alinhavada há alguns pleitos. Porém é cada vez mais explícita a preocupação sobre a manutenção dessa união, especialmente quando existe uma candidatura competitiva do lado oposto. E os movimentos nesse contexto precisam ser analisados com cautela.

 

O PT mantém a posição mais confortável nessa disputa. Está há quatro eleições encabeçando a chapa e o único nome formalmente apresentado é o do ex-governador Jaques Wagner, que tenta retornar ao Palácio de Ondina após dois mandatos do sucessor. Há quem aposte que Otto Alencar (PSD) ou João Leão (PP) poderiam almejar a candidatura ao governo, mas é muito difícil acreditar que eles teriam capacidade de aglutinar as forças políticas como Wagner faria. O Galego é, então, o único candidato viável desse grupo político. E todos, especialmente Otto, reconhecem essa qualidade nele.

 

O socialdemocrata é, naturalmente, candidato à reeleição ao Senado. É cômodo e não o implicaria em permanecer como vidraça - dada a ausência de qualquer outro nome capaz de tirá-lo da cadeira. Rui, que chega a ser citado como potencial candidato a senador, sabe que caminhar nessa direção inviabilizaria a unidade do grupo. Então, da parte do PSD da Bahia, dificilmente haverá um empecilho na repetição do tripé.

 

As atenções se voltam então para o PP, cuja permanência de Leão na chapa majoritária é algo improvável de acontecer - ele não pode ser candidato mais uma vez a vice. Sem um nome com musculatura política equivalente à do cacique, o grupo adversário, representado pelo ex-prefeito de Salvador ACM Neto, tenta seduzir as novas lideranças da legenda. Ainda assim, é pouco provável que os progressistas abandonem o barco petista antes da hora. Isso aconteceria em caso de uma derrota iminente de Wagner, o que é extremamente difícil de prever com a antecedência que permita uma migração menos traumática. Então, se existe um elo frágil nesse relacionamento, cabe ao PP essa pecha.

 

Enquanto isso, ACM Neto continua as andanças e articulações com lideranças nacionais das siglas. Isso pode permitir, por exemplo, que uma vitória dele nas urnas possibilite uma composição com os partidos de centro-direita que atualmente apoiam os governos petistas na Bahia. E as mobilizações do ex-prefeito têm surtido ao mínimo um efeito: a necessidade dos adversários dele repetirem o tempo inteiro que estarão juntos em 2022. Mesmo que ainda falte muito para que todas as peças estejam disponíveis no tabuleiro.

Share on Google Plus

About Visão de Águia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 Comments:

Enviar um comentário

Fale Conosco

Fale Conosco